Total de visualizações de página

Tal qual uma matrioshka (boneca russa), vamos desvendando nossas porções. A cada novo tempo, uma nova aprendizagem. Agora é o momento de nos vermos como seres holísticos que têm: corpo, organismo, cognição (intelecto), inconsciente (desejo) e mente (consciência, espírito).

ANGELINI, Rossana Maia (2011)

“A falsa ciência cria os ateus, a verdadeira, faz o homem prostrar-se diante da divindade.”

VOLTAIRE (1694 -1778)

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

A FORÇA DA PALAVRA



 “Raça de víboras, maus como sois, como podeis dizer coisas boas? Por que a boca fala do que lhe transborda o coração. O homem de bem tira boas coisas de seu bom tesouro. O mau, porém, tira coisas más de seu mau tesouro. Eu vos digo: no dia do juízo os homens prestarão contas de toda palavra vã que tiverem proferido. É por tuas palavras que será justificado ou condenado.” (MATEUS – 12: 34-37)

A FORÇA DA PALAVRA

         A nova física já comprovou que tudo no universo é composto por moléculas, desde nossos corpos até as estrelas. Tudo é formado por átomos que contém em seu núcleo prótons, nêutrons e elétrons. Dentro dos átomos há energia que vibra. Logo, toda matéria é formada por pequenas moléculas que estão unidas em constante vibração. Dessa forma, temos a materialidade de tudo no universo – movido pela energia.
         Há algum tempo, o cientista e fotógrafo japonês, MASARU EMOTO, quis provar que a força da palavra pode alterar as moléculas da água – transformando seus cristais de acordo com os sentimentos, as emoções que emanamos por meio da vibração das palavras pronunciadas. Dito e feito! O cientista teve êxito em sua pesquisa e em 2007 comprovou que palavras que destilam raiva, ódio, temor, sentimentos negativos, tinham a capacidade de gerar energia negativa e transformar os cristais d’água em figuras distorcidas e feias; já as palavras que expressavam amor, bondade, beleza alteraram a estrutura molecular d’água formando belos Cristais. 
         Você já parou para pensar nas palavras que pronuncia e o quanto elas podem danificar sua saúde, sua realidade espiritual e material? As palavras nascem de nossos pensamentos que exalam vibração, é como uma onda que se desdobra em outras infinitas ondas ou como um eco que fica reverberando no universo. Imagine, então, o quanto de energia negativa fica ecoando no universo com todo mal que proferimos o tempo todo? E, ainda mais, quanta energia negativa, atraímos, quando entramos em sintonia com o negativo, com as baixas frequências: palavrões, agressões verbais, palavras desconstrutivas, que ofendem que causam dor e amargura? Essa energia expressa cria “coisas” para nós e para o universo, não nos damos conta, afundamos num lodaçal.
         Hoje, já sabemos que nosso corpo é composto por 70% de água, imagine-se, então, todos os dias pensando e falando mal de seu corpo – com certeza – você o deformará, adoecerá por conta da energia negativa que você dispensa o dia todo. Quando pensamos com raiva de alguém ou desejamos o mal para alguém, observe: a situação de ambos só se agrava e piora. Agora, imagine essa pessoa, com quem você não se dá bem, numa redoma de luz, sendo iluminada por bons pensamentos, com certeza, haverá uma mudança de energia para o bem de ambas.
         No entanto como é fácil cair na cilada do mal, das más palavras, de retribuir a pedra que nos foi jogada com tanto vigor, principalmente, quando essa pedra vem das relações familiares. Deveríamos aprender a contar até dez, antes de partirmos para o ataque, por mais ofendidos que tenhamos sido, porque o ataque verbal não tem fim, vira uma enxurrada de grosserias que tem por único propósito revidar a falta de amor com a mesma moeda. A lei de Talião entra em cena novamente, e novas pedras são lançadas quebrando e machucando os corações. Nesse momento, o melhor é respirar, não responder a essa desordem; pois o mal fomenta o embate, dessa forma, pode vencer e nos levar a trágicos desfechos.
         Precisamos nos preservar, ficar atentos se quisermos viver no Amor: “Uma palavra branda aplaca o furor, uma palavra dura excita a cólera. A língua dos sábios ornamenta a ciência, a boca dos imbecis transborda loucura. Em todo lugar estão os olhos do Senhor, observando os maus e os bons. A língua sã é uma árvore de vida, a língua perversa corta o coração.” (PROVÉRBIOS – 15: 1-3).
         Portanto, alinhar pensamento, emoção e sentimento de forma positiva e amorosa é fundamental para que possamos atrair coisas boas. Lembre-se você é o que pensa, o que fala, o que se materializa, porque antes das coisas acontecerem, você já as pensou. Procure se alinhar com o Amor, com a Luz para que sua vida possa fazer sentido e trilhar no caminho da Paz.

“Nenhuma palavra má saia da nossa boca, mas só a que for útil para a edificação, sempre que for possível, e benfazeja aos que ouvem. Não contristeis o Espírito de Deus, com o qual estais selados para o dia da Redenção. Toda amargura, ira, indignação, gritaria e calúnia sejam desterradas do meio de nós, bem como toda a malícia. Antes sede um com os outros bondosos e compassivos. Perdoai-nos uns aos outros, como também Deus nos perdoou em Cristo. (Efésios – 4: 29-32)
Rossana Maia Angelini


quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Será possível ver o outro como a nós mesmos? - Ode ao Amor



“Aliás, sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos, segundo os seus desígnios. Os que Ele distinguiu de antemão, também os predestinou para serem conforme a imagem de seu filho, a fim de que este seja o primogênito entre uma multidão de irmãos. E aos que predestinou, também, os chamou, e aos que chamou, também, os justificou, também, os glorificou. Que diremos depois disso? Se Deus é por nós, quem será contra nós?”
(Carta de São Paulo aos Romanos – 8: 28-32)

Será possível ver o outro como a nós mesmos?
Ode ao Amor

Por que estamos aqui, nesse planeta com essa consciência e espírito?
Somos seres competitivos, agressivos, lutamos para vencer. Não compreendemos o outro e não toleramos suas diferenças. A vida, então, para ser vivida requer muito esforço, muita sabedoria e, acima de tudo, muita aprendizagem. Precisamos aprender tudo, e o outro é o nosso mestre nessa curta jornada. Sem ele não somos, não construímos nossa identidade, nosso percurso.
Aprender, portanto, requer o outro. Somos frutos do outro e nossa caminhada é com o outro que nos humaniza – por meio da aprendizagem. O outro é nossa matriz de aprendizagem, ensina-nos por sua modalidade. Assim, construímos nosso aprender, para que possamos enfrentar a vida. Posto que a vida é plena de enfrentamentos. Dessa forma, o outro deveria ser venerado, como a nós mesmos, como nosso irmão em carne e espírito, nosso espelho, aquele que deveria nos iluminar. Entretanto, não é isso que ocorre. O homem mata, devasta, corrompe, engana, maltrata, oprime, é perverso, faz guerra – tudo para a garantia de seu poder e de seu dinheiro, em consequência ativa sua arrogância, sua vaidade, sua mesquinhez espiritual, pior! – não se dá conta.
Então, nos questionamos sobre esse mundo em que vivemos, tantos homens diferentes, culturas, formas de pensar, filosofia, religiões, são muitos os aspectos que nos diferenciam. Sofremos de uma eterna “enfermidade espiritual”. Guerras vão e vêm e nada aprendemos, parece não ter fim tamanha dor humana. No entanto, em contrapartida há o bem, tão pouco divulgado e aclamado, parece ruir frente ao terror que se construiu, principalmente nessa sociedade pós-moderna que enfrenta a pior de todas as dores: a rejeição, a solidão, a depressão, a falta de amor. Freud já previra isso, nós apenas confirmamos e acentuamos tal profecia.
Afinal, já que somos seres materiais e espirituais, quem rege nosso espírito? Porque a matéria é regida pelo humano, e infelizmente, o humano não está dando conta de transformar esse planeta num lugar melhor, pelo contrário, cada vez mais, sentimos a iminência de uma nova guerra na porta de nossa casa. Novamente, a reflexão se coloca: espiritualmente quem somos nós?
A ciência tem-nos demonstrado, por meio da matéria, da sua formação atômica e de sua vibração que tudo no universo é energia em vibração. Tudo vibra na polaridade negativa e positiva. Quando entramos em sintonia com o que nega, com a falta de luz, temos as doenças, o mal-estar, o peso dos dias, as dificuldades, as dores; ao vibrarmos em sintonia com o positivo com a luz, tudo se ilumina e nossas vidas ganham um aroma de paz de amor. Ou seja, ao entrarmos em sintonia com o mundo, com as coisas do homem, nosso mundo se limita e se torna pesado; ao entrarmos em sintonia com o espírito nossa dimensão transcendental – parece se alargar, como se irradiasse uma força maior que nos move. Eis aqui a questão, estamos falando de força, de energia, de espírito, logo estamos também no terreno dual: força do bem e força do mal.
Quando pensamos na criação do mundo, do ponto de vista criacionista, está claro no Evangelho que a esse mundo foi precipitado o príncipe das trevas e regido, portanto, por um ser inferior que tem inveja da Luz e de todo Amor da criação divina. De fato, percebemos, sentimos essas forças atuando em nós, ao parar para sentir e procurar dentro de nós de onde vem a dor, a felicidade, o sofrimento e o amor. Por falta de amor, quantas tragédias, quanto ódio se plantou e se planta no mundo. Gerar amor é vibrar na direção da Luz, de uma vida plena de esperança e prosseguir na caminhada pela vida.
Qual será o segredo, então, para entrar no caminho do amor? Já que parece algo tão difícil dentro da condição humana em que vivemos? Gostaria de entrar por um caminho que não tem sido nada valorizado em nossa sociedade, aliás, é motivo de escárnio, de fraqueza e de toda dor humana: o amor! Não vamos falar de um amor apenas carnal, mas de um amor que envolve o espírito, que vai além do que conhecemos, transcende. E dentro da história de tantos amores que vivemos nesse planeta, não podemos deixar de compreender o maior de todos os amores por nós, um amor de mais de dois mil anos, que mudou a história do mundo e, ao mesmo tempo, nos dividiu, porque não sabemos o que é o amor, muito menos, o amor incondicional de alguém por nós: o Amor de Jesus!
O Amor incondicional de Jesus está cravado na história da humanidade, ao longo dos tempos, foi conhecido, negado por alguns e reconhecido por outros. Jesus foi o único ser que veio à Terra, com uma missão, nos salvar e nos redimir de tanta falta de amor; o único ser que veio como homem e que ressuscitou, que reapareceu e subiu aos céus pelo chamado de um Ser maior que a tudo criou. Porém; somos tão inferiores, nessa questão, que não compreendemos. Essa compreensão, muitas vezes, vem pelo conhecimento, pela ciência atual que tem nos aproximado de incógnitas sobre a vida e seus mistérios ou vem pela fé ou vem por um chamado.
O chamado de Deus é irrecusável, nos paralisa e nos põe de joelho perante sua fonte inesgotável de Amor. Esse Amor sentido, vivenciado não tem como não ser acolhido e proclamado, porque a vontade é sair pelos quatro cantos do mundo irradiando esse Amor, falar sobre Ele, ensinar sobre Ele, e o quanto Ele pode modificar as vidas: libertar, curar as feridas do corpo e do espírito, verdadeiramente! A sintonia com essa Luz, com essa Energia, com Deus é inigualável, ela permite a interação cósmica, ela permite a Força irradiada por um Espírito infinitamente de Amor e Bondade. Parece mágica! É a mágica de Deus.
Nesse sentido, a salvação para todos esses problemas está no Amor – o único caminho para nos salvar da dor que entorpece e suga nosso mundo. Como ser feliz vendo tanta miséria, tanto terror, tanta falta de amor?
O amor é o único caminho para reverter o mal. O amor gera uma energia de luz, abranda os corações e promove a infinita bondade, permite-nos olhar nos olhos do outro, profundamente e nos deparar conosco como num espelho espiritual. Faz-se emergencial deixar a lei de Talião: olho por olho, dente por dente, de lado, porque o mal gera mal, amarga o coração, reveste-nos de uma couraça de dor que nos impede de viver em paz. Não é fácil, para nós, pobres seres humanos que mal nos amamos, responder ao mal com amor. É extremamente difícil, o perdão é difícil, só é possível se estivermos guiados pela Luz da bondade infinita, da misericórdia, pela compreensão extrema de olhar o outro com fraternidade; pois o amor é o caminho para aniquilar o mal.
Geralmente, a falta de amor nasce de um abandono de uma rejeição, de um ódio transferido ao mundo e às pessoas mais próximas. O ciúme gera a inveja que gera o mal. Esse ciclo nos encapsula e nos impede de ver o outro como a nós mesmos. Para amar o outro, há de se investir no amor para consigo mesmo, perdoar-se, primeiramente, de pensamentos e atitudes que ofenderam outros e perdoar aqueles que nos ofenderam. O perdão possibilita a cura da alma, o que permite o resgate do ser. Perdão e diálogo, essa é a essência para a conquista de um sentimento pleno e iluminado. Sem o perdão, sem a misericórdia não há possibilidade de Amor. Coloque em ação essa possibilidade e tudo se transformará em sua vida e na vida daqueles que estão ao seu lado.
Se somos, verdadeiramente cristãos, temos de viver no amor de Cristo, o amor que Ele nos ensinou por meio de suas sagradas escrituras; pois somente Ele propicia a Força da compreensão e da Luz Divina por sermos guiados pelo Espírito Santo – quem cuida de nós e nos ampara, quando lhe rogamos seu fogo de amor e seus dons, a fim de nos libertar de uma vida tão rasa e mundana.
Jesus Cristo veio para nos salvar de nós mesmos, de nossa escuridão de alma, das trevas de nosso mundo, de nosso olhar impuro, de nosso viver amargo. A cruz em que Jesus Cristo morreu é a cruz que todos carregamos ao longo de nossas vidas. Viver em Jesus Cristo, viver com Cristo significa amar incondicionalmente, amar tudo e todos, apesar de todos os pesares. Como é difícil, porém não mais extremamente difícil do que foi para Jesus que derramou seu sangue na cruz, a fim de redimir os homens de seus pecados, de suas dores, de sua falta de amor. Jesus Cristo vem para nos ensinar a amar incondicionalmente e a perdoar com o espírito, para que possamos viver no caminho da Luz Divina e da Paz do Senhor.
O primeiro passo é amar-se e, para tanto, perdoar-se é essencial. Pedir perdão por tantos dissabores e pecados que construímos ao longo da vida. O mundo não é regido por Jesus Cristo e, sim, por entidades do mal, das trevas, para se chegar a Jesus Cristo é preciso encontrá-lo no silêncio do Espírito, a fim de que nos liberte dos grilhões da ignorância e da opressão. Dessa forma, o amor requer ser ensinado por meio da palavra sagrada, somente assim as futuras gerações poderão compreender a vida em Cristo, o porquê de ter morrido por nós e a necessidade de reencontrá-lo para redimensionar a vida em nosso planeta, o sistema perverso em que vivemos e que nos cega, exatamente porque sua ordem é das trevas, da opressão para o privilégio de uma minoria e a dor de milhares e milhares de seres humanos.
Descobrir o amor em Cristo é a chave para a humanidade se libertar, o que Jesus veio fazer: libertar o homem dele mesmo. É descobrir aquilo que a ciência tem apregoado: somos todos um, somos uma única só pessoa. Estar com Cristo é a mais plena alegria de subverter essa ordem capitalista selvagem que desumaniza e oprime, que implanta valores desnecessários, para que o capital continue girando continuamente, à custa de tanta miséria, dor e ignorância, frutos da loucura humana.
O amor de Cristo não se esgota, ele se renova continuamente em nossos pensamentos, em nossos corações, em nosso espírito. Sentir a Presença é uma dádiva, é o Encontro com o Sagrado que tudo ilumina e reencanta a fonte da vida. Entrar em sintonia com a Luz de Cristo é permitir-se sair da escuridão da vida regida pela frieza das leis dos homens. Conectar-se com a energia pura de amor é poder trilhar seguro na paz , em sintonia com um amor que nos transcende e nos vivifica por essas estradas tão pedregosas da vida que seguimos, quando nossos olhos estão entorpecidos.
Por isso ser tão fundamental alinhar pensamento, sentimento e emoção com o bem, com a generosidade, com a caridade, com o olhar de humildade sobre o outro que sou eu.
“Amar o próximo como a ti mesmo” – estamos todos conectados, somos uma única só pessoa. Temos uma profunda ligação química, física, emocional, espiritual. Somos todos um, como aponta a nova física. A dor de um é a dor do outro, a alegria de um é a alegria do outro, precisamos sair dessa letargia que nos envolve e buscar a clareza de nossa situação, para conhecermos nossa natureza que se alia a um Ser infinitamente Superior, envolvido por uma Luz de Amor Eterno. 
Precisamos nos dar a chance de viver o Amor, enquanto, ainda, podemos.

Queridos,
O meu chamado chegou. Estou aqui nesse momento, depois de um grande período de recolhimento, reflexão, vivências e sentimentos. As palavras que agora se depreendem de minhas mãos estão instaladas em meu espírito para compartilhar com vocês, um pouco do que tenho aprendido, nessa nova caminhada. Deus nos abençoe!

sexta-feira, 18 de maio de 2012

PRESENÇA



           Rossana Maia Angelini

Foi pela razão que confirmei a mais sublime fé.

Como é difícil colocar em palavras a Presença. Muitas vezes, ela brota em lágrimas do mais puro Amor e Encantamento com Algo que nos transcende. Nesse momento, a tudo supera, tudo se apaga como só existisse uma força de Amor que magnetiza e que envolve o coração, de tal maneira, que não há como não sentir tal egrégora de Luz e de Amor. Fica tudo tão Iluminado e tão Forte que não há palavras, não há gestos, a não ser a gratidão de poder receber tanto Amor.
De fato, não tem como não se dobrar a esse Amor que emana. E quanto mais me aproximo, mais me sinto ligada a essa Força que, de tão plena, me faz querer ficar, cada vez mais, perto desse Espírito. Encher-me de tão Gloriosa Energia. Foi pela razão que confirmei a mais sublime Fé. Há chegado o momento de buscarmos a Luz que nos move para o Amor e para a mais delicada forma de viver: o amor incondicional. Estamos para aprender e, assim, vamos caminhar, até encontrar o verdadeiro sentido da vida, sua sutileza. Estou envolvida em Teus mistérios.
Caminhei muito até chegar aqui, nesse plano, nessa condição. Quando o coração apertou demais, quase estrangulando todos os conceitos, toda a vida que construí, um chamado (agora entendo) aconteceu. Precisei aquietar meu coração, e lá na Igreja – onde as pessoas se encontram para se conectar com Algo muito maior – fui totalmente encapsulada pelas palavras de Jesus, na Bíblia. Era o que faltava para aprender que tudo está em nós, nossa vida, nossa morte, nossa alegria, nosso sofrimento, nossa dor, nossa cura, nossa eternidade. Tudo está em nós! Desde que saibamos e creiamos em Uma Energia Maior – Deus – de quem emanamos e voltamos, quando estivermos prontos. Estar pronto aqui é amar com o mais puro amor a tudo que nos cerca. Isso demanda tempo, idas e vindas em novas vidas para aprender.
Estamos num momento muito delicado. A Verdade é soberana e os chamados são muitos para que possamos ver além da ilusão da materialidade, em que nos mergulhamos. Deixamos de olhar para dentro, para o sublime de nossa vida espiritual, de nossa consciência. As dores e os sofrimentos são os frutos que estamos colhendo por nos afastarmos tanto de uma Conexão Divina – a nossa essência espiritual. Precisamos rever nossos valores, rever nossas necessidades e darmos um passo à frente onde a chave é a Conexão com Deus (Consciência Supramental; Energia de Luz).
Estou há muito tempo buscando compreender essa Presença que me tira do eixo. Uma das formas que encontrei foi o caminho da pesquisa, da ciência, e como aprendi! Aprendi que os cientistas abertos são seres avançados que vêm para iluminar nossos caminhos, são Anjos que nos guiam para podermos alcançar a Verdade. O conhecimento é revelado aos poucos. E como a ciência tem buscado! Por que o maior desafio é responder: quem somos nós? A que viemos? Para onde vamos? Os esforços são muitos e as aproximações dos conhecimentos entre as várias ciências, religiões e seitas são tantas que já não é possível refutar a existência de uma Consciência Maior e de vários níveis de consciência interagindo em todo o universo; pois somos ainda crianças nesse estágio planetário, filhos difíceis em aceitar, em encontrar, em se conectar com a Luz. Somos, sim, seres espirituais numa experiência corpórea. A consciência é anterior à matéria. E tudo está antes na consciência para depois se materializar. Então como não crer?
Hoje, dobro-me, ao Pai, não há mais como não entender! Às vezes, as lambadas da vida vêm para nos fazer acordar, e buscar, e acreditar na providência divina de onde tudo emana e de onde vem nosso poder de amar, de curar, de reverter processos, desde que estejamos conectados a essa Energia de Luz (Deus, Pai Todo Poderoso). Somos divinos com a Divindade. É tudo muito simples, a própria ciência contemporânea tem nos dado evidências  de uma CONSCIÊNCIA SUPRAMENTAL (Deus) – onde estamos todos conectados.
Compreendo, agora, as antigas religiões, o quanto nos ensinaram, para que, por meio da ciência, pudéssemos encontrar a Verdade sobre nós. Creio que a síntese está cada vez mais próxima: Religião e Ciência caminhando para um único objetivo sobre quem somos nós. A razão e a fé estão dando as mãos, para que tudo seja revelado; pois já estamos num tempo de redimensionar a vida em todos os seus aspectos, antes que a maldade, a dor, a angústia, o temor, o pânico sejam senhores de nossas vidas. Invocar e se conectar a uma CONSCIÊNCIA Integradora é o único caminho que temos para viver uma vida melhor, centrada na comunhão com os demais e com a vida em todos os planos.
Torna-se essencial assumirmos o novo paradigma: “A mente, a consciência atua fora do cérebro” – o que já está mais do que provado. Cabe-nos, então, entender que somos seres espirituais vivendo em uma experiência corpórea, pois nossa energia muito adensada pelas questões da própria materialidade, individualiza-nos, nesse plano, e nos faz viver para aprender a Amar,e quanto mais amarmos, formos mais solidários, servirmos com o mais puro Amor, estaremos lapidando nossa essência e, com certeza, estaremos no caminho da expansão de nossa consciência, o que nos elevará para outros planos, dentro de novas constituições corpóreas, menos densas, até nos encontrarmos com o Divino, com uma essência de plena LUZ.
Cheguei a um ponto quase impossível de separar os conhecimentos: fé e razão, porque todos eles fazem parte de um único plano, o de aceitarmos nossa essência espiritual e caminhar, por meio da aprendizagem do amor, para  uma Energia Essencial de onde tudo emana. Há de chegar o tempo que venceremos essa condição tão desigual e opressora. Estamos no caminho, não há volta, precisamos refletir e escolher qual será o próximo passo; pois estamos todos comprometidos. Precisamos aprender a estudar, a ser curiosos, a buscar respostas, a dedicar momentos para nossa Conexão, a iluminar os caminhos de quem passa por nós, a nos comprometermos com nossa eternidade, a partir do que tecemos aqui. Precisamos parar de cultuar uma vida de ilusão fundada na matéria, unicamente. Somos muito mais do que tudo isso a que nos submetemos, basta aprendermos a nos conectar com Deus.
Que todos possam encontrar a LUZ que nos guia e que Ilumina nossos caminhos, eternamente!
***

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Mudança de Paradigma – A Síntese Rossana Maia Angelini


  
Estamos num momento de transição de valores essenciais a uma vida plena de Luz, paz e amor. Todas as religiões clamam por isso, bem como todos os conhecimentos construídos, nas mais várias áreas da ciência. Tudo que se cria visa melhorar a nossa condição de vida. No entanto, tudo que criamos, também serve para o mal. Precisamos compreender a condição humana do ponto de vista das religiões e da nova ciência, a fim de que possamos fazer a síntese sobre: quem somos nós?

Quero iniciar esse texto a partir de algumas perguntas, para que possamos compreender a emergência de um novo paradigma:
Por que consumismo tanto? Por que acumulamos tantas coisas desnecessárias? Por que maltratamos o ambiente em que vivemos? Por que os governos não resolvem as questões da miséria (intelectual e cultural) das pessoas? Por que há tanta pobreza? Por que há uma distribuição de renda injusta? Por que o dinheiro arrecadado pelos impostos não revertem para as necessidades básicas das pessoas: saúde, educação, transporte e segurança de qualidade? Por que somos tão egoístas e competitivos? Por que a perversa diferença de classes? Por que tanta exclusão sobre o que nos é diferente (cultura, religião, sexo, etnia, raça, etc.). Por que tanta injustiça?
Creio que ainda faltam inúmeras perguntas. Faltam, também, respostas fundamentadas em algum paradigma para que se possa responder. Cada vez mais, nos desumanizamos e nos esquecemos de quem somos nós nesse mundo. Muitos nunca se perguntaram, e me parece que o intuito é esse mesmo: não se perguntar sobre quem somos nós, a que viemos?
Bem, ainda tenho algumas perguntas, como: Por que hoje se fala em ecossistema, em cuidar do planeta? Por que se fala em Ecologia, em Sustentabilidade? Por que se fala em incluir os diferentes? Por que se fala em humanizar as relações? Por que se fala de cidadania? Por que se fala tanto em ética?  E tantas outras perguntas...
Está mais do que na hora de colocarmos em ação o novo paradigma que nasce das novas descobertas científicas. Hoje já sabemos, depois de muitas pesquisas realizadas, que a mente (consciência) funciona fora do cérebro, ainda levamos em conta uma série de fenômenos que não podem ser explicados pela ciência materialista. Temos uma consciência que vai além do corpo, da matéria. Nesse sentido, não somos seres materiais, somos seres que têm uma consciência que nos transcende. Somos seres espirituais. Emanamos de uma consciência supramental e nos individualizamos de acordo com a vibração de nossa consciência, quanto mais adensada nossa consciência, mais materializados somos, e, portanto, ocupamos lugares (planos) diferentes no universo, por conta do adensamento de nossa consciência. Quando relaxamos nossa consciência e entramos numa vibração de baixa frequência, podemos expandi-la e isso possibilita sair da matéria. Somos, portanto, seres espirituais numa experiência corpórea; e nossa eternidade depende de nossa efemeridade, ou seja, somos seres espirituais navegando por diferentes vidas, cujo objetivo é aprender o amor incondicional, mas, para tanto, precisamos estar conectados com uma consciência Supramental, para que possamos reabastecer nossa energia espiritual com as forças da Luz. Quanto mais nos aproximamos do amor incondicional, mais, vamos nos espiritualizando, para renascermos em mundos mais iluminados, menos densos, menos materiais. Quando nos desconectamos de uma energia Maior ou de Uma Consciência Supramental (Deus) que é a fonte de toda a Luz do universo, ficamos no plano do adensamento da consciência, ou seja, nossa aprendizagem torna-se lenta e, portanto, teremos que caminhar por esse plano (material), várias e várias vezes, até aprendermos a importância do Amor Divino (amar o próximo como a ti mesmo); pois somos todos Um. Emanamos de uma fonte de Energia que a todos nos conecta, nos mais diferentes planos. Logo, para não cairmos na “roda da reencarnação” e viver vidas e vidas, sem sentido, precisamos buscar a compreensão e a importância de pôr em prática uma vida voltada ao bem de todos. Nossa missão é servir.
A nova ciência já descobriu todo esse processo, o que as antigas e novas religiões apontam, hoje: A consciência é anterior à matéria. Somos seres espirituais em uma experiência corpórea. Esse é um momento de transição, por isso, já não é mais possível segurar, esconder tal conhecimento, é preciso explicá-lo, expandi-lo, para que as pessoas no mundo compreendam sua verdadeira natureza e possam redimensionar suas ações, atitudes e relações. Cabe à Educação se rever dentro desse novo paradigma, para que possamos mudar todo esse sistema materialista, acima de tudo, tão perverso. O sistema social, político e econômico mundial precisa se rever, dentro dessa nova abordagem, para não retardar nossa evolução no planeta. Faz-se urgente buscar os novos conhecimentos, para que o mundo como um todo possa se beneficiar das novas implicações filosóficas que a ciência contemporânea nos traz.
Vivemos sob um sistema extremamente materialista, torna-se urgente mudarmos essa concepção, para que a vida se torne menos depressiva, angustiante, suicida e tão adoecida. Todo aquele que buscar essa compreensão torna-se responsável, para ativar esses conhecimentos e fazer a síntese entre as religiões e a ciência. Essa síntese é fundamental, para que possamos avançar, evoluir, nesse plano, e transformarmos esse “vale de lágrimas” um plano menos denso, mais espiritualizado, a fim de que possamos encurtar o caminho do sofrimento, para vivermos uma vida plena.

***

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Psicobiofísica, noética, filosofia e espiritualidade - a Síntese



A ciência precisa mudar de paradigma para compreender fenômenos que não damos conta de explicar cientificamente. Dizer que fenômenos extrassensoriais não existem, já não é mais possível, porque não podem ser comprovados pela ciência materialista, ainda presa a uma concepção mecanicista do universo, estabelecida por Isaac Newton e seus antecessores.
Muitas pesquisas têm sido realizadas para dar conta sobre o funcionamento da mente, se a mente (consciência) funciona fora do cérebro, ou seja, de forma independente de uma parte orgânica de nosso corpo. Hoje, temos comprovações de que a mente atua fora do cérebro, de forma independente, como se não precisasse de um corpo biológico para atuar. Temos experiências de telepatia, como uma mente se correlacionando a outra, o estado místico, o de uma consciência se conectando a uma consciência maior, como os iogues ou freiras em meditação profunda, conexões mentais entre pessoas.
Será tudo ilusão, coincidência, loucura, já não podemos interpretar,  dessa forma. Ainda, temos experimentos em que a consciência altera a matéria, como a estrutura molecular da água, o DNA, curas, enfim, os mais diversos fenômenos em atuação. Isso tudo nos leva a crer que está mais do que na hora da ciência e de toda sociedade compreender que há algo fora de nós que nos conecta e nos dá a possibilidade de rever a nossa condição humana e a própria vida. Temos de ser humildes e aceitar a multidisciplinaridade de conhecimentos que foram desenvolvidos, articulá-los para a compreensão do todo que somos. Somos tudo e todos, por isso precisamos alargar nossa mente, expandi-la para entender quem somos nós.
As religiões – todas – há muito vêm nos mostrando que há algo que nos liga e que nos conecta, desde as religiões orientais mais antigas até as mais modernas. Não dá para considerar os fenômenos extrassensoriais como frutos de nosso cérebro apenas ou como uma grande ilusão por nos sentirmos desamparados. A filosofia grega platônica, também, já nos falava de algo a mais, de vidas após a morte, da reencanação. Por quê? Desde o século XX, temos a nova Física – a Física Quântica nos dando mostras, por meio de experimentos científicos, contribuições essenciais a respeito da natureza última da matéria. Tudo no universo é composto por átomos, moléculas e partículas. Os elétrons é uma delas; o detalhe é que não fica preso ao núcleo do átomo, dá saltos, sai do lugar, para onde e como vai, ainda, não sabemos. Apenas sabemos que reaparece num outro lugar (os saltos quânticos) e que se correlaciona com outros elétrons distantes, há momentos, também, que funciona como onda, ora como partícula, seriam ondículas. E, gostemos ou não, trocamos elétrons com tudo e todos a todo tempo, até com as estrelas. Os átomos são energia condensada e as moléculas que compõem tudo no universo é energia em alta vibração. Logo, nossos pensamentos também funcionam como energia e emanamos para onde quisermos. Pensem nos grupos de oração. Com certeza, é uma concentração de Energia emanada de várias consciências para outra ou mais consciências, não importando a distância. As consciências se comunicam, atuam, transformam, alteram tal como o elétron que se correlaciona.
Estamos no primado da CONSCIÊNCIA. Na verdade, TUDO é consciência – ENERGIA em alta, média ou baixa frequência – basta adequá-la ao nosso propósito. Podemos até dizer que a consciência tem a dinâmica da atuação dos elétrons. Alguns físicos quânticos já apontam a consciência como a essência da ciência e outros, como uma quinta partícula, funcionando tal como o elétron, uma consciência quântica. A consciência, assim, é vista como um campo de energia que se estende até o infinito e pode ser tratada como uma dualidade onda–partícula. Pela confirmação de várias experiências, isso de fato ocorre.
Então, creio que chegou a hora de darmos as mãos e avançarmos em nossos conhecimentos, não desprezando mais a CONSCIÊNCIA como integradora de todas as nossas ações e atitudes por todas as vidas que temos construído ao longo de um tempo e espaço não definido. É certo que, quando compreendermos, de fato, essa mudança de paradigma, os conceitos e valores serão redimensionados e passaremos a pôr foco naquilo que realmente é importante para nós – a nossa evolução enquanto seres eternos que têm a missão de tornar a vida melhor nas esferas em que estivermos atuando. Por isso, cada novo conhecimento é fundamental para o plano, espaço e tempo em que nos comprometemos em viver, para que a vida possa seguir seu percurso, evoluir para o bem e para uma consciência Suprema que a todos nos conecta.
Estamos para servir e evoluir, portanto – precisamos ativar, repartir esses conhecimentos, a fim de que possamos dar um salto na qualidade de nossas relações tão mal construídas nesses últimos tempos. Já passamos do “Mal-estar na civilização” de Freud, estamos na era da depressão, do consumo desenfreado e da alma perdida em meio a tantas ilusões: ter ao invés de ser. Somos responsáveis por nossa vida e por todas as vidas com que nos comprometemos. Precisamos crescer e espalhar o amor. Nossa consciência precisa se conectar com energias mais elaboradas, para que possamos evitar o nosso sofrimento psicobiofísicoespiritual nesse plano de nossas vidas e carregado para outras vidas. Essa é a essência. Vamos ativar esses conhecimentos, por meio deles revisar os conceitos das antigas escrituras, dos livros sagrados (ciências de suas épocas), discutindo-os dentro de uma ótica da nova ciência.
Na verdade, chegamos a conclusões de que tudo está antes da matéria. A consciência é anterior à matéria, por isso precisamos dar conta dessa consciência que nos individualiza enquanto seres humanos, nesse plano, cujo único motivo é ter uma vida menos dolorida. Somos todos responsáveis, não podemos aniquilar a vida nem essa morada. Nossa consciência eterna precisa encontrar a sabedoria, para que saibamos viver, compartilhar e cooperar, porque carregamos todas as marcas nessa consciência não importa a vida que estejamos vivendo, sendo que cada vida é um novo aprendizado, para nos levar a um único caminho: o amor incondicional. É isso que a ciência precisa provar, nada mais!!
A lógica disso tudo: colocar a consciência como essência de todos os processos e compreendermos que temos uma consciência quântica regendo o universo. Se a consciência é suprema e atua fora do corpo, podemos entender que a consciência existe fora de um corpo biológico, quando num estado mais adensado. E, por existir fora de um corpo, pode existir em outros campos, com outras formas químicas. Ainda, compreendemos que todas as consciências estão em nós, porque emanamos de uma consciência Supramental, logo nos conectamos a todas elas em espaço e tempo não locais. Quando a consciência adensa mais, ou seja, vibra com mais frequência, possibilita a nossa individualidade, ao se tornar mais relaxada – expande – sai da caixa (cérebro), do corpo, e a consciência expandida funciona fora do corpo, esse é o trabalho dos yogues (em meditação), na filosofia oriental, por exemplo. Por essa teoria, poderemos explicar a nossa condição humana – somos um EGO eterno que viaja vida após vida, cujo intuito é se aprimorar até chegar ao amor incondicional, dessa forma, podemos explicar os fenômenos espirituais e, também, as consciências em outros planos de vida.
Parece ser tudo muito simples, o mais interessante é que muito da filosofia antiga e das religiões antigas tinham base científica e anteciparam as descobertas da ciência moderna ocidental, daí ser fundamental articular os mais diversos conhecimentos, porque todos eles têm um claro objetivo: a compreensão de nossa condição humana. Vamos enumerar algumas descobertas que nos têm levado a essas novas descobertas, como:
·        Comprovação de benefícios obtidos por doentes que praticavam a meditação transcendental ou recebiam terapêuticas que incluíam a autossugestão, a visualização e a hipnose.
·        Aumento da sobrevida de pacientes com câncer ao participarem de grupos de apoio psicológico.
·        As plantas têm uma espécie de consciência que responde a estímulos ambientais bem como aos pensamentos humanos.
·        Outros experimentos acusaram uma capacidade de leucócitos retirados de doadores e mantidos separados em laboratório de responderem da mesma forma que seus doadores que eram submetidos a estímulos definidos, sugerindo a existência de um elo invisível entre ambos, numa forma de biocomunicação à distância em nível celular que foi atestada para outros tecidos e organismos.
Esses são apenas alguns dos experimentos realizados, há muito mais em nossas pesquisas. Fica cada vez mais difícil refutar tais comprovações científicas. Precisamos desenvolver, portanto, um pensamento sistêmico que nos possibilite a ampliação de nossa consciência individual e Supramental. É chegado o tempo de viver esse novo paradigma e resgatarmos valores éticos pela vida, seja ela quem for, como for. A educação é a grande responsável para essa mudança de paradigma. O primeiro caminho é trabalhar dentro de um pensamento sistêmico, multidisciplinar que considere o humano. Como nos aponta Stephanie Marshal, a proposta não é mais “o que você aprendeu hoje?”, mas “como você aprendeu hoje, e de que maneira isso afetou você?”, fazendo que nasçam “histórias de vida e de aprendizados mais profundas, mais transcendentes e mais capacitantes.”
Para tanto, urge uma nova consciência político-econômica-social global, a fim de que as questões do mundo sejam tratadas de forma multicultural e colaborativa. Somente quando abraçarmos o novo conhecimento e colocá-lo em ação, poderemos fazer as mudanças necessárias.
Precisamos reaprender a pensar além da matéria e compreendermos que somos CONSCIÊNCIA eterna, nossa finalidade: viver em diferentes planos da consciência, para que possamos aprender a amar, a servir e a evoluir com o Todo. O maior propósito desses conhecimentos é evitar uma grande catástrofe no mundo Terra por nossa ignorância sobre nossa condição. O grande desafio: ativar esse paradigma; agir dentro desse novo paradigma. Precisamos descobrir o real propósito da vida. O pensamento sistêmico e o conhecimento multidisciplinar têm nos facilitado esse percurso. Cada um dentro de seu projeto de vida é responsável por alargar esse conhecimento e modificar suas relações no presente, porque elas ecoarão pela eternidade.
                                                                             Rossana Maia Angelini                                                                                           (Abril/2012)
REFERENCIAIS BIBLIOGRÁFICOS:
FONSECA, Laércio. Física Quântica e Espiritualidade.
GOSWAMI, Amit. O Universo Autoconsciente. Rio de Janeiro: Ed. Rosa dos Tempos, 2001.
GOSWAMI, Amit. Ativismo Quântico. São Paulo: Ed. Aleph, 2010.
***
  

domingo, 25 de março de 2012

Primeiro Encontro do Atelier

O Atelier tem o compromisso de apresentar o novo paradigma e as ciências contemporâneas que têm possibilitado uma nova compreensão da vida e do mundo. O primeiro encontro foi fundamental, para que as pessoas possam repensar a vida e suas relações, a partir de novas possibilidades. Com certeza, reapresentaremos esse primeiro tema - A Arte de Bem Viver - um sucesso! Agradecemos a participação e colaboração de todos.

Rossana Maia Angelini