Total de visualizações de página

Tal qual uma matrioshka (boneca russa), vamos desvendando nossas porções. A cada novo tempo, uma nova aprendizagem. Agora é o momento de nos vermos como seres holísticos que têm: corpo, organismo, cognição (intelecto), inconsciente (desejo) e mente (consciência, espírito).

ANGELINI, Rossana Maia (2011)

“A falsa ciência cria os ateus, a verdadeira, faz o homem prostrar-se diante da divindade.”

VOLTAIRE (1694 -1778)

domingo, 22 de janeiro de 2012

Texto para reflexão: pais e educadores.



O Rito de Passagem: meu filho foi para o intercâmbio.


            O rito de passagem está na nossa literatura, desde há muito tempo. A partir de tribos indígenas, nos mais distantes lugares, conhecemos diferentes rituais veiculados pela mídia, para que possamos compreender a passagem do adolescente para a vida adulta. Muitos dos rituais, segundo a nossa cultura ocidental, parecem agressivos, porém, precisamos entender esses rituais, colocando nossos óculos de historiadores e não julgarmos as mais diferentes culturas do nosso planeta.
            Um dos ritos bastante lembrado é o de Telêmaco, personagem da epopéia grega, escrita por Heródoto, a Odisséia, na Antiguidade. Telêmaco, filho de Ulisses, enfrenta difíceis situações, ao ver-se sem o pai, e ter de assumir as responsabilidades com a família. São situações difíceis e embaraçosas, para que esse jovem adolescente aprenda a enfrentar a vida e reinventar seu cotidiano.
            Creio que é aqui que se funda o rito de passagem: do adolescente ter de enfrentar a vida, sem que os pais estejam por perto. É de natureza humana viver a necessidade do rito de passagem – algo tão comum às civilizações primitivas e antigas. Cada rito se expressa de uma maneira, por meio da cultura em que se vive. Hoje, temos outras formas de ritos que possibilitam essa passagem.
O rito de passagem é uma necessidade para se cortar o cordão umbilical, para romper a condição de filhos submetidos emocionalmente aos pais. A conquista é enfrentar os desafios da vida e se dar conta de seu enfrentamento, a fim de aprender a lidar com o medo, com a solidão, com situações inéditas e tomar decisões próprias, logo aprender a contar consigo mesmo, nas mais diversas vivências.
            Esse é o caminho que desnuda o ser, implica em autonomia de pensamento, é um percurso revelador; pois nos faz deparar com o nosso self, com nosso eu íntimo, que pode se revelar um grande amigo ou não, podemos dizer que é um momento para se descobrir a força interna que nos impulsiona para a vida, para a autoria.
            Na civilização ocidental moderna, os ritos persistem de várias formas, em diferentes idades, entretanto a necessidade de sair de casa para encarar a vida (mesmo com apoio financeiro dos pais) é uma forma de viver a passagem para o crescimento interno, diria que é uma necessidade - e saudável! - à psique humana. Nesse processo, podemos observar a construção da autoria, fundada na autonomia de pensamento, tão fundamental ao ser humano: contar consigo mesmo, nas mais diversas situações. Emerge nesse processo a criatividade de viver e de poder se adaptar às diferentes realidades. Outra coisa pontual é compreender que os filhos estão a nós emprestados, temos de zelar por eles, educá-los, possibilitar-lhes o encontro consigo mesmos e oferecer-lhes condições de enfrentar a vida e, acima de tudo, investir na coragem que têm de empreender situações que os levem ao crescimento, a uma autoria de vida. Como isso é fundamental! É a busca do sentido, como diria FERRY (2010). É o encontro com o self, para responder a uma pergunta: Quem sou eu?
            Creio que enquanto pais, o bem maior que podemos deixar aos filhos é a confiança em si mesmos, a curiosidade por conhecer e ter autoria, ser ético, acima de tudo, em qualquer circunstância, e os instrumentalizarmos de acordo com as necessidades do contexto. O resto é decorrência, é construção. O alicerce fica fundado.
            O rito de passagem é um grande desafio emocional para os filhos e para os pais, nas suas diferentes perspectivas, implica em separação, em dor, em saudade, mas também em coragem de acreditar em nossa capacidade de superação. Por isso, vale a pena investir, desde cedo, numa educação libertadora, com limites, e que privilegie a autonomia de pensamento, um processo dialético em que ambos estão envolvidos na construção: pais e filhos.
           
            Ao fazer a releitura dos ritos de passagem, pude percebê-los de formas diferentes nesse novo século, no ocidente, e o quanto é importante para os nossos filhos. O intercâmbio para outros lugares, para outros países, para estudar, para trabalhar ou exercer trabalhos voluntários, é visto como uma necessidade, faz parte do crescimento e do desenvolvimento psicoemocional de nossos jovens.
Estamos em busca do sentido sempre... Porque ele é que nos permite viver a vida.
*

2 comentários:

  1. HOUVE UMA ÉPOCA EM MINHA VIDA QUE TIVE VERDADEIRO ENCANTAMENTO PELOS RITOS DE PASSAGEM, QUANDO COMECEI A ESTUDAR CIVILIZAÇÕES ANTIGAS, INDIGENAS,CIGANOS..
    DEPOIS DO ENCANTAMENTO PERCEBI QUE ESSES RITOS OU SÃO INTENCIONAIS E DIRECIONADOS OU, COMO ACONTECEU CONOSCO,LÁ EM CASA,NÓS CONSTRUIMOS O NOSSO RITO DE PASSAGEM,POIS NÃO EXISTIA QUEM NOS DIRECIONASSE. SÓ DEPOIS DE UM DETERMINADO TEMPO PERCEBEMOS ISSO,POIS A TRANSIÇÃO EXISTIA E COM ELA A NECESSIDADE DE UM FORTALECIMENTO PARA O ENFRENTAMENTO ÀS NOVAS SITUAÇÕES.QUANDO É ASSIM, O SOFRIMENTO É IMENSAMENTE PROFUNDO,PORÉM O CRESCIMENTO É PROPORCIONAL. ESSE SEU ARTIGO MEXEU COM MINHAS REMOTAS LEMBRANÇAS DESSA ETAPA.OBRIGADA PELA CONTRIBUIÇÃO.

    ResponderExcluir
  2. Que bom Lucila!

    De fato, todos nós passamos por isso em algum momento, de formas diferentes, faz parte do crescimento. Bj!

    ResponderExcluir